"CÓS" FEMININO

É a camada de roupa logo a seguir à interior.
Na Idade Média o “cós” é a palavra para corpo e é por isso que eu a escolhi para designar esta camada de roupa, já que o tapa.
O “cós” é aquele que era mais visível nas classes trabalhadoras e era o que tinha que ser protegido por um “guarda-cós”.
No que diz respeito aos homens, estes teriam a vantagem de poderem usar menos camadas de roupa logo, algumas peças que eu coloquei neste capítulo, na secção masculina, também poderiam ser colocadas em capítulos posteriores.

Saia
Embora se chame saia (na Idade Média não haviam saias separadas; só no Renascimento é que surge o conceito de separar o vestuário em duas partes), afinal nada mais é do que um vestido completo, em linho de cor ou lã, conforme as estações do ano, simples ou tecido nos mais variados padrões.
Podemos dividir a evolução da saia feminina em três partes:

  • a que é típica dos séculos XII e XIII,
  • a que aparece sensivelmente nos finais do século XIII e ínicios do século XIV,
  • e a que se estende a partir de meados do século XIV.
A 1ª parte é caracterizada por saias de linhas mais direitas,  enquanto que nas duas seguintes já encontramos saias muito mais cingidas ao corpo, com a introdução de novas técnicas de costura (cava das mangas redonda e a divisão do corpo humano em 4 moldes) e a introdução de um método de fecho com ilhóses (feitas à mão e não de metal!) e cordão na frente do vestido, desde o dectote até abaixo do umbigo. O que difere nas últimas fases de evolução da saia é que a última é caracterizada pela introdução de botões nos punhos e na frente, sem eliminar o uso das ilhóses por completo.Tanto num caso como noutro, levavam godés (triângulos de pano) dos lados, à frente e atrás, para dar mais roda.
E conforme as classes e o tipo de trabalho as saias eram mais ou menos cingidas ao corpo. Podemos perfeitamente visualizar uma dama da corte com a roupa muito junto ao corpo e uma camponesa com uma saia mais folgada nas costuras para poder movimentar-se.
Por cima da saia vinham uma variedade de outros vestidos, com ou sem mangas, com diferentes nomes e aspectos, conforme os séculos, as modas e as classes sociais: Os chamados guarda-cós.
(ver página dos moldes)


Mulheres lamentando-se, Biblia de Maciejowski, Paris, 1250.
Típicas saias do século XIII, sem ilhóses à frente e mais largas que as saias de séculos posteriores.

Milhete, Tacuinum Sanitatis, 1385.
Na manga do braço levantado desta mulher podemos ver pequenos botões.